segunda-feira, 24 de julho de 2017

COLCHA JARDIM

    Quando eu era criança amava o jardim da nossa casa. Nós morávamos na roça, uma casa de fazenda muito simples de onde tenho boas memórias – casa branca, portas e janelas azuis, a cachoeira, o moinho d’água, a horta, o paiol, o curral para o gado, o pomar, e nos fundos um jardim perto da bica de água. Naquele pequeno jardim cabia uma grande variedade de plantas e flores. Tudo junto e misturado- afinal na natureza não existe monocultura.

      Havia o pé de murta dominando o jardim com suas flores perfumadas e sementes vermelhas que os passarinhos vinham comer; as folhagens de cores e formas variadas... Os lírios – o “eucarístico” com flores brancas; o de “S. José” com flores laranja; o “lírio azul” (neomarica – falso iris)-; a trepadeira “sangue de Cristo”; os beijos de diversas formas e cores; as açucenas; as violetas; o “suspiro” - uma planta que na época das flores as folhas morrem e a flor roxa e branca brota da terra -; uma planta com lindas flores brancas pequeninas: “coroa de noiva”... assim era o nosso jardim.
     Comecei a fazer esta colcha conforme um modelo de um livro de patchwork – o nome era “O jardim de Anne”. Era um modelo com uma grande mistura de cores. Mas eu tenho dificuldade de emendar pedaços de tecido formando um desenho geométrico. Então, no meio do trabalho deixei o modelo do livro, e fiz na colcha o jardim da minha infância.
    O jardim da nossa vida é assim: uma grande mistura. Só quando nos distanciamos, podemos ver a harmonia que existe naquilo que de perto parecia um emaranhado de cores e formas.
     
    Então vou olhar para esta colcha com gratidão e paciência.  Paciência para deixar o tempo passar e eu ver tudo de certa distância; gratidão porque assim é a minha vida, e tem sido uma boa vida com os erros e acertos. A mensagem que fica é: não controlamos a vida, ela nos ultrapassa. Eu não tenho a vida, ela me tem.  

 Cultive o seu jardim,
e espere florescer...

domingo, 9 de julho de 2017

ALMOFADA EM AZUL

     Imagine-se andando pelos campos numa manhã de sol, colhendo um buquê de flores do campo... chegando em casa você pega um jarro no armário e põe as flores na água fresca e coloca o jarro sobre uma mesa em frente a uma janela que dá vista para o mar... 
Você pode sentar-se e contemplar o azul do mar que se une ao azul do céu... e esta cena vai pouco a pouco aquietando a sua respiração e desacelerando a sua mente.
Vivemos o agora...
Foi pensando numa cena assim que desenhei e fiz esta almofada em patchwork e bordado livre. Do desenho até a almofada ficar pronta passaram-se 7 meses - com outros trabalhos no meio.
 
 Uma vez eu vivi esta cena que descrevi. Só que a janela não dava vista pro mar, mas para os campos de Smith Falls no Canadá.
DETALHES  DO BORDADO

CORTINA COM BICO DE CROCHÊ
Espero que este tema possa inspirar você a criar coisas que fazem bem à sua alma. Coisas que nos trazem realização e alegria.

Desejo a você um dia cheio de cor e  a vida cheia de amor!!!!!

terça-feira, 30 de maio de 2017

LIXEIRINHA PARA CARRO

Dentro do carro sempre tem algo para ser descartado e às vezes não tendo onde por, vamos juntando lixo. 
Por isso sempre é útil ter uma lixeirinha no carro. Melhor ainda quando é charmosa e colorida. 
Fiz esta para presentear uma amiga. Experimentei fazer um modelo diferente que eu ainda não tinha feito.
 
Escolhi fazer em tons de azul, e apliquei vasinhos com flores de fuxico. Pra completar apliquei uma borboleta laranja.
E ficou assim.

Lembre-se...









para quem contempla o belo 
há sempre uma flor 
na paisagem...

sexta-feira, 19 de maio de 2017

NECESSAIRES

Olá!
Hoje trago pra vocês este conjunto de necessaire em tons de azul e cores combinantes. 
Fiz a maior como organizador de bolsa - coloquei um bolso do lado de fora e outro bolso dentro. 
A menor é para guardar máquina fotográfica e seus acessórios - com dois bolsos dentro para cartões de memória e cabos. 
 Bordei a maior com flores e passarinhos - muito fofos! 
A menor fiz sem bordado, só com os tecidos combinantes.
O outro lado.
E para alegrar o seu dia, 
contemple o belo...

sexta-feira, 21 de abril de 2017

BORBOLETAS

Para mim as borboletas significam leveza, beleza e liberdade. Elas me trazem alegria, movimento, desejo de mudança, renovação, desejo de ir além... 
A Márcia vai usar borboletas em uma dinâmica sobre a transformação da vida num encontro da família. Para isso ela me pediu pra fazer 20 borboletas. 
Aqui estão elas... com seu colorido e beleza. 
Espero que elas sejam portadoras do bom e do belo pra família da Márcia. 

E pra você, algumas fotos de borboletas...



Que sua vida seja leve,
e seus sonhos se realizem...🌹🌹🌹



domingo, 2 de abril de 2017

PORTA COISAS

Olá pessoal!

Na semana que passou tirei uma tarde para fazer algumas encomendas de porta coisas - aquelas bolsinhas que nos ajudam a manter as gavetas e as bolsas ou mochilas organizadas. 
Fiz um porta pendrive, porta HD externo e porta fones de ouvido. Quando entreguei o porta pendrive uma pessoa gostou do modelo para usar para levar brincos em viagem. Fica a dica. 
Os outros também podem ter outros usos - porta moedas, carteira... e o que mais sua imaginação quiser...
Todas as peças foram feitas com  3 camadas - tecido, manta e forro. As bolsinhas do porta pendrive foram feitas em organza para facilitar a visualização. Usei a organza dobrada para ficar mais resistente. 
 Espero que gostem da sugestão e usem os modelos. 
PORTA PENDRIVE ABERTO ...
... E FECHADO
PORTA FONES











PORTA HD
        DESEJO A VOCÊ UMA ÓTIMA SEMANA!





domingo, 5 de março de 2017

SERRA DA CANASTRA

Tarde de sexta, todos no ônibus, saímos em direção a Minas Gerais... a viagem promete, grande é a expectativa de conhecer um lugar diferente no interior do Brasil: Serra da Canastra - onde chegamos depois de 15 horas de viagem. Ficamos hospedados em Piumhi e andamos por S. Roque de Minas, Vargem Bonita e Capitólio. 
Foram tantas as boas experiências que nem dá pra falar sobre tudo... 

Algumas coisas marcantes: o passeio de catamarã no lago de Furnas e a beleza do canion; a paisagem - ora mata Atlântica, ora Cerrado; a fauna e flora exuberantes; as trilhas e mais trilhas, em terreno às vezes íngreme, às vezes mais fácil; os queijos deliciosos - vamos comprar queijo!; a vista fantástica da serra da Canastra e da serra da Babilônia, com um lindo vale no meio; a convivência do grupo; a convivência com os guias, nos muitos quilômetros nos jipes, em estrada de chão, subindo e descendo a serra, passando por atoleiros e contando "causos"; as muitas fontes e nascente - como disse o guia: aqui a água brota do chão; as cachoeiras... ah, as cachoeiras!; o clima agradável; a beleza e tranquilidade das cidades do interior; a experiência de ver um Brasil diferente, muito diferente das grandes cidades.
Foi uma viagem de lavar a alma, romper limites, renovar a esperança e confiança no ser humano.

Tentei organizar a viagem numa sequência de fotos, mas nenhuma foto consegue capturar toda a beleza da serra da Canastra...
Começamos pela trilha do Sol
Passeio de Catamarã no lago de Furnas
Cachoeira Diquada - lago de Furnas
O comboio de 9 Jipes
A humilde nascente do rio S. Francisco
Nascente do S. Francisco
Parte alta da cachoeira Casca D'Anta
Mirante - a trilha mais difícil
Vista da Serra da Canastra
Vista da Serra da Babilônia
Parte baixa da cachoeira Casca D'Anta
Vista da cachoeira do Cerradão

Cachoeira do Cerradão
Flor do pequizeiro
A sempre-viva
As belas quaresmeiras
O que se leva da vida é a vida que se leva...